sexta-feira, 27 de abril de 2012

Bebados driblam segurança e roubam pinguins


Eles chegaram a mergulhar no tanque dos pinguins
Fonte: Alessandro Hanashiro
Imagem: Reprodução
7 News




Três turistas ingleses causaram transtornos em uma visita ao parque aquático Sea World, da Austrália.

De acordo com a polícia, o trio driblou a segurança e invadiu o parque durante a noite de sábado (21).
Um deles chegou nadar seminu no tanque dos golfinhos e, juntos, eles levaram embora um pinguim.
O pesadelo começou quando eles acordaram, sóbrios, no dia seguinte e encontraram um pinguim perambulando pelo apartamento deles.
A ave é um dos xodós do pessoal do parque e, quando eles sacaram o que haviam feito, tentaram desovar o pobre pinguinzinho em um canal que desagua no mar, perto da casa deles.
Esse não foi o único problema que eles encontraram.
A polícia chegou até eles por causa dos comentários postados no Facebook, em que todos se vangloriavam pelos feitos no Sea World.
Para provar que não queria machucar ninguém, o trio entregou todos os vídeos que fez no local e um deles, Rhys Jones, em entrevista ao canal 7News, disse que eles estavam profundamente arrependidos por seus atos.
- Ainda meio zonzo com isso tudo, mas, em defesa de nós três, digo que nós todos estamos todos arrependidos e que foi apernas uma brincadeiras que acabou indo longe demais.
O pinguim, chamado Dirk, foi encontrado apavorado andando pela praia, mas não estava machucado. Ele foi levado direto para o Sea World e já está em companhia da namorada, Peaches.
Os três patetas foram acusados de invasão de propriedade e de furto de animal protegido e terão de comparecer ao tribunal no dia 2/5 para a defesa.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Uma lembrança eterna

Adolescente tem a emoção de pescar um peixe do mesmo tamanho dele e levou 15 minutos para retirá-lo da água
Fonte: G1 com informações da Daily Mail
Imagem: Reprodução
Mail Online com imagens da Caters New Agency
O adolescente britânico Curtis Welch, de 13 anos, pescou um peixe-gato (conhecido no Brasil como bagre) do mesmo tamanho do que ele. Ele fisgou o exemplar de quase 20 quilos no lago Orchid, em Oxfordshire, no início deste mês, segundo o jornal inglês "Daily Mail".
O estudante de 1,47 metro disse ter ficado surpreso ao descobrir que o peixe tinha a mesma altura do que ele. Welch levou 15 minutos para conseguir retirar o peixe da água. Apesar do peso, ele destacou que conseguiu fazer isso sozinho.
Revista IPesque

O repovoamento de um milhão de megalopas - pequenos caranguejos


Fonte: Governo do Estado da Bahia com informações da Secom por Redação
Imagem: Reprodução
Governo do Estado da Bahia



No sábado (21), a Bahia Pesca fez o repovoamento de um milhão de megalopas – pequenos caranguejos na segunda fase de desenvolvimento, medindo apenas meio centímetro – no manguezal da Avenida Beira-Rio, bairro de Sapetinga, em Ilhéus. O repovoamento faz parte do programa de fortalecimento e geração de renda para as famílias da área de implantação do Porto Sul, projeto do Governo do Estado que está em fase de licenciamento ambiental pelo Ibama e que dará um novo impulso ao desenvolvimento regional.
A iniciativa faz parte do Programa Integrado de Manejo e Gerenciamento do Caranguejo-uçá (Puçá) e as megalopas foram cultivadas no laboratório da Bahia Pesca, na Fazenda Experimental Oruabo, em Santo Amaro, onde também são realizadas as principais atividades de pesquisa da empresa. As 100 fêmeas utilizadas para a reprodução foram capturadas no próprio manguezal e devolvidas ao habitat natural, durante o evento.
O gerente da Fazenda Oruabo, Jerônimo Souza Filho, explicou para estudantes, marisqueiras, representantes de colônias de pescadores, professores e jornalistas como é realizado o ciclo de vida do uçá. Já a tecnóloga em aquicultura Eliane Hollunder, responsável pelo Laboratório de Reprodução de Caranguejo, liberou as larvas, transportadas em sacos plásticos, no manguezal.
“O principal objetivo do repovoamento é a defesa do meio ambiente, já que os uçás crescem e se tornam reprodutores, mantendo o ciclo e consequentemente o equilíbrio ambiental”, disse o presidente da Bahia Pesca, empresa da Secretaria da Agricultura (Seagri), Isaac Albagli. Ele declarou que em 1997 a doença letárgica do caranguejo matou milhões destes crustáceos em vários estados do Brasil, fato que muito contribuiu para a redução da quantidade da espécie. Afirmou, no entanto, que o ser humano é quem mais dizima, “pois muitos capturam os caranguejos sem os critérios determinados pelos órgãos ambientais, desmatam e poluem os manguezais”. E ressaltou que, em paralelo ao repovoamento, a Bahia Pesca promove palestras, orientando a população a preservar o meio ambiente e não capturar caranguejo com menos de cinco centímetros, fêmeas ovadas ou no período das andadas. A cada ano o crustáceo cresce apenas um centímetro.
Revista IPesque

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Alimentos alérgenos, como peixe, devem ser acrescentados aos poucos na rotina alimentar da criança

Fonte: Gazeta Online por Daniella Zanotti
Imagem: Reprodução
Gazeta Online



O desejo de todo pai é que o filho cresça com uma saúde de ferro, longe de resfriados, febres e outros males que podem surgir infância. Mas não é preciso receitas mágicas nem superstições para que o seu pequeno cresça de forma saudável. Alguns hábitos e cuidados simples na rotina podem dar uma reforçada na saúde do seu filho, com resultados bem duradouros.
Para começar, não abra mão do leite materno até os 6 meses. Esse é o alimento mais completo que a mãe pode oferecer ao filho. A pediatra Isabel Cristina Carvalho Machado afirma que só o leite materno é capaz de suprir todas as necessidades de nutrientes e sais minerais do bebê. "A criança recebe os anticorpos da mãe por meio do leite, protegendo o bebê de infecções gastrointestinais e respiratórias", explica a pediatra.
Uma alimentação variada também é fundamental para que seu filho cresça saudável. A inclusão de novos alimentos na dieta do bebê deve acontecer a partir do 6º mês. Carnes vermelhas, por exemplo, oferecem nutrientes importantes para o desenvolvimento das crianças e são absorvidos facilmente pelo organismo.
"A carne precisa ser bem molinha e acompanhada por um purê de batatas, por exemplo. Além disso, o alimento deve ser amassado com o garfo e não ser colocado no liquidificador, já que o aparelho estraga as fibras e compromete a qualidade das proteínas", alerta a médica. É importante incluir também vegetais verde-escuros, vermelhos e laranjas, para garantir as vitaminas A e D.
Já os alimentos considerados alérgenos, como o ovo, peixe, amendoim e cereais, devem ser acrescentados aos poucos na rotina alimentar da criança, e sempre com o acompanhamento do pediatra. Esse cuidado diminui o risco de reações alérgicas.
Brincar ao ar livre também é outro segredo das crianças saudáveis. O contato com a natureza auxilia a formação de anticorpos que são benéficos no mecanismo de defesa do organismo, além de aumentar a produção de vitamina D com a exposição solar. "Faz bem para a musculatura, para as articulações e para fortalecer os ossos", ressalta Isabel.
Além disso, as crianças precisam estar preparadas para os passeios em locais públicos, ou seja, as primeiras vacinas devem estar em dia. O calendário brasileiro de vacinação é um dos mais completos do mundo. Por isso, deixar de proteger o seu filho está fora de questão.

Hábitos que protegem

Indispensável: Amamentação com leite materno até os 6 meses

Colabora para a formação do sistema imunológico da criança; previne muitas doenças, como alergias, obesidade, anemia, intolerância ao glúten, entre outros. Novas pesquisas mostram que as crianças amamentadas com leite materno crescem e ganham peso mais devagar, o que ajuda a prevenir o excesso de peso

Mais saúde: Alimentação variada

Seguir uma dieta rica em nutrientes garante que o estado nutricional da criança se mantenha dentro do esperado, nem abaixo nem acima. Por meio de uma alimentação variada, a criança consegue suprir todas as suas necessidades de ferro, proteína, cálcio, fibras, vitaminas e minerais, e o sistema imunológico também fica protegido

Sempre em dia: Tomar vacinas

Ao manter a caderneta de vacinação da criança em dia, você garante não apenas a saúde dela, mas da população ao redor, e ajuda a diminuir a mortalidade infantil. O calendário de vacinação é calculado para proporcionar proteção máxima ao bebê. Atrasos, inclusive nos reforços, deixam a criança desprotegida. Adiantar a vacina também não é recomendado se o sistema imune ainda não estiver maduro

Imunidade alta: Brincar mais ao ar livre

É dessa forma que seu filho vai ter contato com o sol - para aumentar a produção da vitamina D no organismo - e até com novas bactérias que vão ajudá-lo a fortalecer o sistema imunológico. O contato com a natureza, a possibilidade de estar ao ar livre e as brincadeiras saudáveis em ambientes apropriados devem ser sempre estimulados

Horário para tudo: Dormir bem

Uma boa noite de sono é fundamental para o seu filho estar disposto. Só que, para isso, ele precisa ter uma rotina saudável, o que inclui horários para comer, dormir, estudar, praticar atividades físicas. Isso tudo vai impactar diretamente na saúde da criança. Vale reforçar aqui que estudos já mostraram que a privação de sono aumenta o risco de obesidade

Higiene: Lavar as mãos

Lavar as mãos com água e sabão é uma das formas de evitar o contágio de doenças infectocontagiosas. Segundo a Unicef, no Brasil, lavar as mãos, principalmente após usar o banheiro, antes de comer e depois de brincar ao ar livre, ajuda a reduzir em mais de 40 os casos de doenças diarreicas, e em quase 25 os casos de infecções respiratórias. Por isso, ensine seu filho desde cedo.
Revista IPesque

Menino de 9 anos pesca tubarão





Menino estava pescando com o seu pai de caiaque, quando o peixe mordeu a sua isca



Fonte: Extra Online com informações YouTube por Global Connection News
Imagem: Reprodução
YouTube por Global Connection News



Um menino de 9 anos estava pescando em Galveston, Texas, quando um peixe grande mordeu a isca. Assustado com o tamanho do bicho, Hunter passou a vara de pesca para o pai, Kevin Stevens. Os dois tiraram da água um tubarão.
Para provar que não é história de pescador, Hunter e Kevin gravaram a pescaria, no domingo. Pai e filho estavam em um caiaque, como fazem com certa frequência.
Christina Stevens, mãe de Hunter, disse que não é o primeiro tubarão que a dupla encontra, nesta temporada de pesca. Eles já haviam deixado dois escaparem no domingo, e um na semana anterior.
A mãe disse ainda que Hunter não tem medo do tubarão. Segundo ela, o menino é fascinado pela vida marinha e está sempre ansioso pela próxima pescaria.
Revista IPesque

terça-feira, 24 de abril de 2012

Dois mil cientistas e 67 paises pedem a proibição da pesca

Fonte: Ecoesfera por Redação
Imagem: Reprodução
Reuters por Denis Sarrazin



                                                                                           Oceano ártico

Mais de dois mil cientistas de 67 países pediram nesta segunda-feira, numa carta aberta, a proteção do oceano Ártico, proibindo a pesca comercial nas zonas que ficaram recentemente acessíveis por causa do degelo.
“Os cientistas reconhecem a necessidade crucial de um acordo internacional que proíba o início da pesca comercial, até que possam ser definidas medidas de gestão baseadas no conhecimento científico”, escreveu Henry Huntington, diretor de ciência do departamento do Árctico do instituto Pew Center.
Os novos mapas mostram que, nos últimos verões, a perda permanente de gelo no mar abriu 40 desta região pristina e tornou a pesca industrial viável pela primeira vez. “Não há margem para o erro numa região onde o degelo no mar está a alterar rapidamente o ecossistema marinho”, acrescentou.
De momento, ainda não há dados que permitam compreender "as consequências da pesca no ecossistema do oceano Ártico - nomeadamente nas focas, baleias e ursos polares - e nas populações que dependem desses recursos naturais", escrevem os investigadores. "Agora, a comunidade científica não dispõe de dados biológicos suficientes sobre a presença, abundância, estrutura, movimentos e saúde dos estoques de peixes e o papel que têm no ecossistema."
Mais de 60 dos cientistas que assinaram a carta aberta, publicada no primeiro dia da conferência sobre o Ano Polar Internacional 2012 em Montreal, são de um dos cinco países com costa para o Ártico: Canadá, Estados Unidos, Rússia, Noruega e Gronelândia/Dinamarca.
Os cientistas recomendam que os países do Ártico trabalhem em conjunto para proteger o Oceano central Ártico, uma área semelhante ao Mar Mediterrâneo.
Revista IPesque

Máquina-peixe nada em píscina montada na Feira Expo 2012

"

                                
                                                               "Peixe-robô" é destaque!


Imagem: Reprodução
AP por Ahn Young-joon

Uma feira na Coreia do Sul tem como atração um peixe-robô, que nada em uma piscina em um dos pavilhões.
A EXPO 2012 ocorre na cidade de Yeosu até agosto e tem como tema `O oceano vivo e as costas`
Fonte: G1 por Redação e Revista IPesque

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Sepaq discute em Brasilia o entreposto da Arthur Bernardes

Fernando Souza, Neuza Reis, Luis Sérgio Borges, Ministro Marcelo Crivela, Deputada Elcione Barbalho e Jairo Souza



Com o objetivo de tratar assuntos de interesse do Setor Pesqueiro no Estado do Pará, aconteceu, no dia 10 de Abril, uma audiência com o Ministro da Pesca, Marcelo Crivela, a Deputada Federal Elcione Barbalho, o Secretário-adjunto de Pesca do Pará, Luis Sérgio Borges (na foto superior, cumprimentando o Ministro),  e representantes dos feirantes do Ver-o-Peso.

Dentre os assuntos abordados destacou-se o entreposto que está sendo construído na Arthur Bernardes e a atividade Pesqueira do Ver-o-Peso.

O Secretário Adjunto, Luis Sérgio, manifestou-se sugerindo que fosse utilizado, no Terminal Pesqueiro, o desembarque da Pesca Industrial, conservando no Ver-o-Peso, o desembarque da Pesca Artesanal.

Desta forma, manterializa-se a possibilidade da conservação das cerca de 12.000 pessoas que trabalham no Ver-o-Peso e em seu entorno, além de conservar a cultura e a tradição, ressaltando a importância deste complexo para o Estado do Pará. Luiz anunciou que o Ministro Marcelo Crivela virá a Belém para uma audiência publica para tratar do assunto.



Sepaq em destaque no Blog da UFPa


Aconteceu na manhã do sábado,31/03/2012, na Sede da Associação dos Usuários da RESEX de São João da Ponta - MOCAJUIM, a continuação das atividades de planejamento das ações do Grupo de Estudos Paisagem e Planejamento Ambiental – GEPPAM, do Curso de Geografia da UFPA. O grupo de co-gestão que trabalha com parcerias integradas UFPA/ICMBIO/PREFEITURA E LIDERANÇAS LOCAIS, visando a solidariedade e vivência. Na oportunidade acompanhamos a apresentação do tema: “Atividades de Educação ambiental” ministrado pela Profª Carmena França (UFPA). Sua abordagem retratou sobre a articulação entre a Disciplina Educação ambiental e a realidade vivida pelos moradores de São João da Ponta, onde apontou estratégias de Pesquisa e Ensino como parte da metodologia. Estavam presentes no evento alunos e professores do curso de Geografia da UFPA, pescadores e lideranças locais, ICMBIO e técnicos da Secretaria de Pesca e Aquicultura – SEPAq.
Podemos compartilhar também de alguns problemas existentes a serem trabalhados na área de São João da Ponta e que de forma direta e indireta interferem nos manguezais: Assoreamento do Rio Açu e represamento e morte das áreas de várzea; Recuperação dos igarapés (paisagem); Assoreamento do Igarapé São Vicente; Preservação das aves e das ostras; Questão do lixo no mangue – destinação do lixo. Os alunos do GEPPAM serão tutores de cada comunidade a fim de ajudar na solução dos problemas evidenciados. As comunidades com tutoria e seus respectivos representantes estão abaixo relacionados:
A discussão temática foi de suma importância como forma de aprofundar o olhar sobre o trabalho desenvolvido no município, se considerarmos que se trata de uma região rica em sua biodiversidade. Logo, não podemos desconsiderar tais fatores. Na oportunidade pudemos também compartilhar do trabalho de Logística do transporte do caranguejo -uçá da Secretaria de Pesca e Aquicultura – SEPAq apresentado pelo Técnico Engenheiro de pesca Átila Brandão, oportunidade que a SEPAq teve para divulgar o trabalho que desenvolve na área junto a professores, alunos do curso de Geografia da UFPA e demais presentes na reunião.
Todas estas atividades são frutos das demandas comunitárias da RESEX Marinha de São João da Ponta, tendo o apoio a Associação dos Usuários da RESEX de São João da Ponta- MOCAJUIM, e da Equipe de gestão da RESEX , no estabelecimento de parcerias , com GEPPAM/UFPA e da Secretaria de Pesca e Aquicultura – SEPAq , Prefeitura Municipal de São João da Ponta e o escritório local da EMATER.
Fotos: Waldemar Vergara Filho (ICMBIO), Cristina Brelaz (SEPAq) e Equipe GEPPAM.

Sepaq agradece participação de alunos da Ufra e do IFPA na Semana Santa

A participação valiosa dos alunos do IFPA e da Universidade Federal Rural da Amazônia, estes coordenados pelo Professor Lauro Itó, no Projeto da Semana Santa, denominado Peixe Pra Valer, do Governo do Estado, foi de inestimável valor concorrendo para o êxito da operação. Os alunos mostraram grande interesse, destacando-se pelo empenho na solução de impasses e no atendimento ao consumidor, entendendo com perfeição a obra na qual se engajaram. A diretora de Pesca, Jossandra Pinheiro, e o diretor de Logistica e Estatistica da Secretaria de Pesca e Aquicultura, Alan Pragana, externaram agradecimentos e a gratidão da Sepaq, em nome do Secretário Henrique Sawaki, pela atuação dos 77 alunos da Ufra, a seguir relacionados:

1. ADENOR GATTI DA ROCHA JÚNIOR
2. ALESSANDRA OLIVEIRA BENJAMIM
3. ALINE DA ROCHA NEVES
4. AMANDA MARIANA BOULHOSA
5. ANA CAROLINA RODRIGUES DA CRUZ
6. ANA MARIA OLIVEIRA MAGALHÃES
7. ANDERSON JOSÉ ALEIXO DE MORAIS
8. ANDRÉ LUIZ OLIVEIRA NASCIMENTO
9. ANNY MARYSOL SOUZA CAVALCANTE
10. ARYSON RONIERE QUEIROZ DE ALENCAR
11. ALDRY LORRAN DA SILVA E SOUZA
12. BARBARA FLÁVIA NUNES MENDES
13. BRENO GARCIA QUEIROZ
14. BRUNO DA COSTA LISBOA
15. CIBELLE SOUZA SIQUEIRA
16. DANIELA SANTOS DO NASCIMENTO
17. DÉBORA MIRANDA DE CARVALHO
18. DENISE CRISTINA DE SOUZA RIBEIRO
19. ELIDETH PACHECO MONTEIRO
20. ERMESON DE OLIVEIRA SILVA
21. EWERTON LUIS PAIVA MONTEIRO
22. FABIOLA SUELLEN DA SILVA REIS
23. FERNANDA MORAES HENRIQUES
24. FERNANDA DO SOCORRO CRUZ DO CARMO
25. FRANCIELLY ALCÂNTARA
26. HELEN RAYANE LOPES MORAES
27. HELOISA MARTINS VALENTE
28. IGOR TAKERU CARNAUBA DA SILVA
29. INGLISON FERREIRA SOUZA
30. ISIS DAIANY DA COSTA
31. JAMILA GALVÃO DE ARAÚJO
32. JANAYNA GALVÃO DE ARAÚJO
33. JEANDERSON DA SILVA VIANA
34. JEANDRIA, NEGREIRO FREIRE
35. JESSICA ALMEIDA DA SILVA
36. JONH RAFAEL FERREIRA DE QUADROS
37. JOÃO LAURO FIGUEIREDO SANTOS
38. JOSEELMA QUARESMA TRINDADE.
39. JULIETTE DO SOCORRO PEREIRA PANTOJA
40. KAIO DIEGO DAS NEVES BARROS
41. KAROLINE DIECKMANN BRITO
42. KLEFSON SILVA DE ALMEIDA
43. LILIANE CARDOSO DE ARAÚJO
44. LORENA CRISTINA REIS DE BRITO
45. LUAN GARCIA CASTELO
46. LUCAS BRASIL DUARTE
47. LUCIANA DE SOUSA MATOS
48. MAIARA DE CASTRO SOUSA
49. MARA RUBIA FERREIRA BARROS
50. MARCIA SOUZA CRUZ
51. MARILLYSE DE CÁSSIA VIEIRA
52. MATHEAUX, KLISMMAN QUADROS CUNHA
53. MAYARA DA COSTA PEREIRA
54. MURILLO D’ ALMEIDA COUTO DE AZEVEDO
55. NIGHTYGALE BENCHIMOL DE SOUZA
56. PAOLA FABIANA FAZZI GOMES
57. PATRÍCIA HELENE FERREIRA SILVA
58. PAULA IRACEMA
59. PRISCILA SILVA LAGOS
60. RAFAEL JOSÉ FURTADO SOUZA
61. RAFAEL RODRIGUES RUSSO
62. RAISSA BARBOSA PEREIRA
63. RAISSA DE CASSIA PINHEIRO RIBEIRO
64. RENAN GILNEY NUNES DE OLIVEIRA
65. ROSINETTE MACHADO SANTOS
66. SAMARAH DE LIMA NEGRÃO
67. SARA VIEIRA DOS ANJOS
68. SAVIO LUCAS DE MATOS GUERREIRO
69. SCARLLET BEZERRA
70. SHIRLEY ALINE SANTOS PINHEIRO
71. SUSANE CRISTINI GOMES FERREIRA
72. SUZANNE HELENA MORAES
73. THALITA ANTUNES OLIVEIRA
74. THAYANNE CRISTINE CAETANO DE CARVALHO
75. VICTOR EDUARDO GEMAQUE
76. WEVERTON JOHN PINHEIRO DOS SANTOS
77. YGOR YURI PEREIRA DA SILVA

A relação dos alunos do IFPA, e os municipios de atuação, é a seguinte:
Lionei Recuero CASTANHAL

Gilberto Santos CASTANHAL
Tamiris Correa CASTANHAL
Thamyres V. Silva CASTANHAL
Juliana Ribeiro CASTANHAL
Melquisedeque Ribeiro CASTANHAL
Ednara Araújo CASTANHAL
Tatiane Mendes de Sousa CASTANHAL
Antonio Thiago CASTANHAL
Yugo Pastrana CASTANHAL
Débora Xavier CASTANHAL
Arlan Paz CASTANHAL
Nayara Oliveira CASTANHAL
Hugo Freitas CASTANHAL
Rafael Quintários CASTANHAL
SYSLANNE NORONHA TAVARES PONTA DE PEDRAS
CRISDANE DIAS TAVARES PONTA DE PEDRAS
RAIMUNDO CRISTIANO NORONHA TAVARES PONTA DE PEDRAS
 DANIEL BARBOSA DE JESUS PONTA DE PEDRAS
SHIRLENE ALCANTARA TAVARES PONTA DE PEDRAS
ANA MEIRE TAVARES DOS SANTOS PONTA DE PEDRAS
ANA ROSA FERNANDES DOS SANTOS PONTA DE PEDRAS
MARINEU BARBOSA DOS SANTOS PONTA DE PEDRAS
SILVIA SILVA DOS SANTOS PONTA DE PEDRAS
Nilton Kleber Lima da Silva TUCURUÍ
Luanda Larissa Campos Nunes TUCURUÍ
Roberto Carlos Cordeiro Modesto TUCURUÍ
Andreza Suellem Ignácio de Freitas TUCURUÍ
Ana Cláudia dos Santos de Aguiar TUCURUÍ
Antônio dos Santos Pereira da Silva TUCURUÍ
Jorge Luiz Gomes Moreira TUCURUÍ
Reginalda Arnou Rocha TUCURUÍ
Lucineia Pereira Sales TUCURUÍ
Daiane Maria Cunha Miranda TUCURUÍ
Ereonice Alves Pinto TUCURUÍ
Maria Suene Santos da Silva TUCURUÍ
Luciana Soares de Carvalho TUCURUÍ
Renata Mendes Rodrigues TUCURUÍ
Amarildo Ribeiro Menezes TUCURUÍ
Alessandra da Silva Miranda VIGIA
André Costa dos Santos VIGIA
Anne Loyse Almeida dos Santos VIGIA
Diego Carvalho Oliveira VIGIA
Elisandra Cardoso Maia VIGIA
Gizeli Siqueira PintoVIGIA
Hevelyn Caroline Vilhena Freitas VIGIA
Jacira Luciana Araújo Alves VIGIA
Janilson Fernandes Monteiro VIGIA
João Paulo Pereira Rodrigues VIGIA
Josineide Amorim Silva VIGIA
Juceli Braz dos Santos VIGIA
Leonardo dos Reis Moraes VIGIA
Judith Mariana Mota Ferreira VIGIA
Lucideia Monteiro dos Santos VIGIA
Luciene Moraes dos Reis VIGIA
Luis Augusto Rodrigues Nogueira VIGIA
Luis Paulo Cordeiro de Vilhena VIGIA
Manoel Marcos Borges Guedes dos Santos VIGIA
Marcely Gomes Araújo IFPA VIGIA
Marcio Andrey Oliveira dos Reis VIGIA
Maria de Nazaré Sousa Cunha VIGIA
Maria Emilia Sousa Campos VIGIA
Maria Joceni Tavares Pinto VIGIA
Maria Raimunda Furtado Silva VIGIA
Mayara Caroline Monteiro Costa VIGIA
Natalia Airam Vilhena da Silva VIGIA
Odair José Brito Pinheiro VIGIA
Pamela Juliane dos Santos Oliveira VIGIA
Patrick Jhyson Reis Vasconcelos VIGIA
Renan Viana Borges VIGIA
Sirleia Almeida de Sousa VIGIA
Suelem Cristina de Almeida Oliveira VIGIA
Taciana Cardoso Raiol VIGIA
Tainara do Socorro Silva Cardoso VIGIA
Wallacy Malcher Fontenelle VIGIA

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Palestras sobre atividade pesqueira para estudantes de Bragança




Uma delegação de 31 estudantes do Instituto Federal de Educação Tecnológica do Campus de Bragança esteve em visita à Secretaria de Pesca e Aquicultura, nesta sexta feira, 20, participando de palestras sobre atividade pesqueira no Estado, eles que pertencem a uma região das mais produtivas do Estado, a região Nordeste com destaque para o municipio de Bragança.
O Secretário Henrique Sawaki esteve presente dando as boas vindas aos estudantes, agradecendo a presença deles, colocando a Sepaq à disposição da classe, aduzindo sobre as diversas parcerias que a Secretaria empreende, notadamente com a SEMA (Secretaria do Meio Ambiente), por ser o órgão emissor das licenças ambientais. Destacou também a parceria com o Ibama, cujo Analista Ambiental, Antonio Melo, foi um dos palestrantes, ao lado dos técnicos da Secretaria, Tiago Oliveira e Edna Cristina, que mostraram as ações e planos da Sepaq no setor pesqueiro do Estado.Nas fotos, aspectos das palestras promovidas no auditório da Secretaria.

Governador anuncia aumento para os servidores do Estado

Da Redação Agência Pará de Notícias


Todos os servidores públicos do Estado do Pará recebem, a partir deste mês de abril, aumento de 5% no contracheque referente à inflação acumulada no país nos últimos doze meses. A confirmação foi feita pelo governador Simão Jatene, na tarde desta quinta-feira (19), no Hangar – Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, durante a inauguração do novo modelo da administração pública paraense, conhecida como Gestão para Resultados.
Além do reajuste com base na inflação, Jatene garantiu também para este mês a incorporação do abono de R$ 560 para o nível superior. A partir do aumento concedido, o vencimento-base das categorias de nível superior passa de R$ 622 para R$ 1.213,00. No caso dos servidores que ocupam cargos de nível superior, a secretária de Administração, Alice Viana, explica que ao vencimento-base somam-se ainda mais 80% de gratificação de escolaridade, resultando em R$ 2.183 de remuneração.
“Precisamos dar condições para o servidor público trabalhar e isto passa pela remuneração. Estamos concedendo o reajuste de 5% da inflação registrada no país e, para os servidores de nível superior, mais a incorporação de um abono de 80%. Isto significa dizer que eles terão todos os benefícios atrelados a este abono”, assegurou Simão Jatene.
Alice Viana afirmou que, além do abono, os servidores passam a ter também todos os direitos legais assegurados, no que se refere ao adicional por tempo de serviço, incidência de hora extra, gratificação de tempo integral, aposentadoria e demais vantagens que serão pagas já na folha de abril. O reajuste concedido às categorias ativas e inativas do Estado gera, segundo a secretária, um gasto de R$ 22 milhões a mais na folha de pagamento.
A secretária de Administração destacou, ainda, que o abono salarial do nível médio deverá ser incorporado num segundo momento, com o aumento da arrecadação estadual. “Vamos analisar a capacidade de crescimento da receita do Estado, e se for possível incorporá-lo até o fim deste ano, caso contrário, apenas em 2013”, informou.
O Estado também está concedendo aumento para os servidores da área da saúde. Segundo Alice Viana, a categoria recebe a partir deste mês elevação na remuneração de R$ 1.993 para R$ 2,6 mil. Jatene explicou que os servidores da área da saúde estão recebendo este aumento porque dependem, muitas vezes, do plantão e do sobreaviso como complemento salarial. “É uma equação que precisa ser feita, pois esses funcionários trabalham mais de 160 horas por semana, em alguns casos”, ponderou o governador.
Texto: Thiago Melo - Secom

Sepaq assina contrato no Programa de Modernização da Gestão Pública



A Secretaria de Pesca e Aquicultura do Pará participou da solenidade promovida pelo Governo do Estado na última quinta feira, 19, no Hangar Centro de Convenções, fruto de Acordos de Resultados do Programa de Modernização da Gestão Pública no Estado do Pará. O Secretário Henrique Sawaki assinou o termo de responsabilidade, com  metas a cumprir, assim como os demais secretários de Estado, atendendo, também, à convocação da Secretaria Especial de Estado de Desenvolvimento Econômico e Incentivo à Produção (SEDIP) à qual está vinculada. Acompanhando o secretário, estiveram vários diretores da Secretaria, tais como Luiz Sérgio Borges, secretário-adjunto. Paulo André Lima Cavalcante, diretor administrativo-financeiro; Jossandra Pinheiro, diretora de Pesca e Alan Pragana, diretor de logistica e estatística, além de gerentes, coordenadores e muitos servidores, a fim de tomarem conhecimento do Programa do Governo. Nas fotos, aspectos da cerimônia.

Governo implanta modelo de gestão e qualificação de servidores

Da Redação

Agência Pará de Notícias


O governador do Pará, Simão Jatene, implantou na tarde desta quinta-feira (19), no Hangar, em Belém, o novo modelo de gestão da administração pública paraense, denominado Gestão para Resultados. A partir de uma tecnologia pioneira, será possível ao governador e aos demais gestores estaduais acompanhar o andamento de todas as ações e investimentos realizados pelo Estado, tornando a administração mais eficiente e transparente, e garantindo resultados mais concretos.
Durante o lançamento, o governador também autorizou o programa de formação de gestores e qualificação do servidor público, que será executado pela Escola de Governo do Pará (EGPA). O programa capacitará os servidores a partir de agosto, para que o Estado cumpra as metas presentes no planejamento estratégico do novo modelo de gestão estadual.
Simão Jatene afirmou que com o programa de qualificação e o novo modelo de gestão o Estado dá um passo ainda maior para combater a pobreza e as desigualdades sociais. “É um desafio de toda a sociedade, mas nós, enquanto governo, vamos trabalhar com mais eficiência e clareza as nossas ações e programas, para dar uma resposta melhor e mais rápida à população”, ressaltou o governador.
O secretário de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças, Sérgio Bacury, disse que o modelo Gestão para Resultados permite à administração transformar o Estado privilegiando o conhecimento, a produção e a gestão. “Com o novo modelo de gestão, cada secretário ao executar uma ação poderá planejar, realizar e avaliar, posteriormente, os resultados para a população. Significa melhoria na gestão pública das ações governamentais”, destacou.
Para a secretária de Estado de Administração, Alice Viana, o Pará está vivenciando um novo tempo na gestão pública, “que é ímpar na história da administração pública do país”. “O objetivo primordial deste novo modelo é a eficiência na prestação de serviços para a população, com o cumprimento dos programas que estão no Plano Plurianual e na Agenda Mínima do governo. Com isso, quem ganha é a população paraense, que terá mais qualidade no atendimento em todas as áreas do Estado”, afirmou a secretária.
Ainda de acordo com Alice Viana, a partir da nova metodologia de gestão, com a tecnologia que está sendo aplicada, cada gestor poderá mensurar as ações e os indicadores paraenses. “Essa avaliação vai ajudar na eficiência e na otimização de recursos, para agirmos no que o Estado mais necessita”, acrescentou.
Diretrizes - Com a Gestão para Resultados o Pará é governado a partir de cinco diretrizes, como a inclusão social e a produção sustentável, que envolvem 26 objetivos centrais, os quais incluem a redução do deficit habitacional, a ampliação da infraestrutura de saúde e o fortalecimento do ensino profissionalizante.
Tudo isto é contemplado pelos mais de 60 projetos e programas que o Estado está executando, ou que ainda irá desenvolver. Além de tornar a administração pública mais eficiente, o novo modelo de gestão é ainda mais transparente e permite que o cidadão acompanhe pela internet o andamento de cada investimento e programa executados do governo.
O novo modelo de gestão começou a ser implantado no ano passado, com a aquisição de uma tecnologia inovadora, o Balanced Scorecard, feita com base na consultoria da empresa especializada Symnetics. Trata-se de uma tecnologia que auxilia grandes empresas e instituições a traduzir estratégias em objetivos operacionais e resultados concretos para a população.
Com uma abordagem baseada na transferência de conhecimento, o novo modelo de gestão paraense conta também com a parceria do Movimento Brasil Competitivo (MBC). Com esta parceria, o governo incorporou novos conceitos de planejamento e gestão, além de parâmetros que vêm sendo adotados em outros Estados, com significativos ganhos na qualidade dos serviços públicos.
Gilson Teichholz, consultor do MBC, explicou que a parceria com o governo paraense foi iniciada em junho do ano passado, com um levantamento dos projetos que estão sendo implementados no Estado. “Com esta análise, nós fazemos a introdução desta nova metodologia, que é a Gestão para Resultados. Nada mais é do que um novo meio de administrar, que prioriza as necessidades mais urgentes, otimizando recursos e oferecendo mais eficiência no atendimento à população. Com esta metodologia que ajudamos a instalar no Pará, o governador e os seus gestores poderão planejar, gerenciar e monitorar todos os investimentos realizados”, informou Gilson, que já prestou a mesma consultoria para os Estados de Minas Gerais e Rio Grande do Sul, além de vários ministérios.
Qualificação – O programa de formação de gestores e qualificação dos servidores públicos será executado pela Escola de Governo, em parceria com as secretarias de Estado de Administração (Sead) e de Planejamento, Orçamento e Finanças (Sepof). Segundo o diretor geral da Escola de Governo, Ruy Martini, a partir desta segunda-feira (23) será feito um levantamento nos órgãos, identificando a necessidade de qualificação em cada um.
“Com este levantamento vamos montar o programa de capacitação, para trabalhar os objetivos estratégicos estabelecidos nas metas do Governo do Estado para a população. Com o levantamento também teremos o número de servidores que passarão pela qualificação”, afirmou Ruy Martini. Ele informou ainda que o programa terá três eixos principais: qualificação profissional, formação de gestores - com cursos de especialização -, e capacitação de pelo menos 2.700 novos servidores, recém-nomeados.
Texto: Thiago Melo - Secom

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Doença rara causada pelo odor de peixe

Mulher tem doença metabólica também conhecida como “síndrome de odor de peixe”

Fonte: Vírgula por Redação com informações Daily Mail
Imagem: Reprodução



A doença foi diagnosticada há dois anos depois de Claire conviver por muito tempo com o terrível problema. A síndrome faz com que o corpo produza uma substância química de forte odor e liberada pelo suor, urina e respiração.
Segundo a mulher, o incômodo provocado pela síndrome é tanto, que ela chegou a ser abordada na rua por estranhos que gritavam para que ela tomasse banho. Para piorar ainda mais a situação, Claire não podia sentir o odor que exalava – já que não somos capazes de sentir cheiros vindos do nosso próprio hálito, por exemplo.
“Cheguei a tomar dez banhos por dia depois de minha família e amigos comentarem sobre o cheiro de peixe. Um dia, assim que tinha acabado de escovar os dentes, minha irmã disse que eu deveria fazê-lo pelo menos três vezes, porque eu fedia. Achei que era implicância de irmã, mas mais pessoas começaram a comentar. Isso realmente começou a me preocupar e fiquei obsessiva com limpeza”, disse a britânica ao “Daily Mail”.
Claire foi ao médico diversas vezes e todos diziam que ela não tinha nada. A moça já estava se achando hipocondríaca e tentava achar o motivo do cheiro a todo custo, chegando a obrigar seu dentista a extrair alguns dentes que acreditava serem o motivo do problema.
“Estava escovando os dentes vinte vezes por dia e ao mesmo tempo tinha ataques de pânico. Por um ano, só saí de casa para trabalhar e não aguentava mais as pessoas olhando para mim e dizendo para que eu escovasse os dentes. Me diziam que eu tinha cheiro de cocô”, lamentou.
A moça conta que pensou em suicídio algumas vezes e tomou remédios contra depressão, até que foi diagnosticada – depois de ver um caso semelhante na TV e insistir para que seu médico pedisse o teste – e encontrou a solução. Há dois anos vive à base de uma dieta que inclui apenas frutas, legumes e vegetais. “Foi um alívio receber o diagnóstico real. Meu médico, que já estava farto de mim, até pediu desculpas”, comemora.
Mãe de quatro filhos, Claire agora se alimenta basicamente de morangos, peras, cenouras, batatas e saladas. Também está liberado arroz em pequenas quantidades, mel e pães (com algumas restrições). Além de conseguir controlar o odor, ela ainda conseguiu perder 38kg.
Segundo informações do “Daily Mail”, a Trimetilaminúria não tem cura e é causada pela incapacidade de quebrar a trimetilamina no fígado. O tratamento consiste em equilibrar a produção da substância no organismo.
Revista IPesque

O Peixe fluorescente

Poderá ajudar a compreender melhor como o corpo humano responde a substâncias poluentes

Fonte: Jornal da Notícias PT por Redação
Imagem: Reprodução


Uma equipe da Universidade de Exeter, no Reino Unido, desenvolveu um projeto que transformou um peixe-zebra comum, num peixe transgénico, que brilha num tom verde quando colocado em águas poluídas.
O bio-sensor colocado no peixe já revelou que produtos químicos com estrogénio têm um impacto superior sobre mais partes do corpo do que aquilo que se pensava anteriormente.
O modelo mostra que mais orgãos e mais partes do corpo reagem aos estrogénios ambientais.
O estudo foi publicado esta quarta-feira na revista "Environmental Health Perspectives" e explica que o objetivo foi o de criar um modelo de peixe-zebra trangénico sensível, para avaliar os efeitos em tempo real de químicos ambientais.
Revista IPesque

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Quase 250 toneladas de peixe foram comercializados na Semana Santa

Em um primeiro levantamento da Secretaria de Pesca e Aquicultura do Pará, a respeito da Feira do Peixe Pra Valer, programa do Governo do Estado, ação promovida durante a Semana Santa, em dois dias, o resultado mostra que foram comercializados 248.865,20 quilos de pescado na cidade de Belém e em mais 38 municipios do Estado do Pará. O balançõ geral só será apresentado na primeira semana do mês de maio de 2012, segundo informou a diretora de Pesca da Secretaria, Jossandra Pinheiro. Eis os números deste balanço parcial:


Belém:

Foram estruturados 19 pontos de venda, sendo:

18 de peixe popular
5 de peixe vivo
2 de ostra
2 de caranguejo
No total, foram comercializados: 66.427,80 kg de pescado

Ananindeua:

Foram estruturados 8 pontos de venda, sendo:

8 de peixe popular
1 de peixe congelado
1 de peixe vivo
2 de caranguejo
1 de ostra
No total, foram comercializados: 23.021,00 kg de pescado.
(Obs: em alguns pontos havia todos os produtos para vender)

DOAÇÕES

Este ano a SEPAq fêz a doação de 2.000 kg de pescado para população carente. Essa doação foi repassada pelo SINPESCA para que a Secretaria procedesse a distribuição.


As Instituições que receberam a doação foram as seguintes: Obras Sociais da Paróquia de Nossa Senhora de Nazaré, Comunidade São Francisco Xavier, Comunidade São Francisco de Assis, Associação dos Músicos e Compositores de Marituba e Associação de Mulheres da Pesca da Baia do Sol, em Mosqueiro.

39 municipios

No geral, a ação da Semana Santa beneficiou a população de 39 municipios do Estado do Pará (Belém e mais 38 do interior), o que gerou um total de: 248.865,20kg de pescado comercializado, faltando, ainda, alguns municipios que não entregaram o relatório de venda.

Audiência Pública sobre a criação da maior reserva extrativista do nordeste paraense

Imagem: Reprodução
Instituto Socioambiental (ISA) por Silvia Futado


Nesta quarta-feira (18), o escritório local da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater) em São João de Pirabas, na região do Salgado, promoverá, em parceria com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma), mais uma audiência pública com pescadores artesanais e setores da sociedade civil sobre a criação da maior reserva extrativista marinha do nordeste paraense e que, se constituída, abrigará a faixa litorânea de quatro municípios: além de Pirabas, serão incluídas as vizinhas Primavera, Quatipuru e Salinópolis.
A audiência pública, que será realizada às 19h na Escola Guajarina Menezes, tem o objetivo de apresentar aos moradores de Pirabas, sobretudo aos agricultores familiares cujas principais atividades se baseiam nos recursos naturais oceânicos, como se dá a criação de uma reserva extrativista e os impactos de legislação e preservação ambientais decorrentes.
Os pescadores já sentem os efeitos da degradação dos mangues, por exemplo, por causa da diminuição dos peixes. Nossa proposta, além de detalhar os trâmites da criação da reserva e afirmar que o processo só se efetiva se a comunidade concordar, é mobilizar empresariado, políticos e cidadãos comuns para a discussão”, explica o chefe do escritório local da Emater em Pirabas, o técnico em pesca e aquicultura e gestor empresarial José Jorge Raposo.
A Audiência Pública gerará um documento com assinaturas, que será encaminhado ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), autarquia do Ministério do Meio Ambiente (MMA). De acordo com estimativas da Emater, a partir das consultas às comunidades diretamente interessadas e estudos científicos, a criação da reserva extrativista da região pelo governo federal deve ser definida até o fim de maio.
Fonte: Revista IPesque

MPA participa de reunião da Rede de Aquicultura das Américas

O ministro da Pesca e Aquicultura, Marcelo Crivella, participa a partir desta quarta feira, 18, da Reunião da Rede de Aquicultura das Américas (RAA), que será realizada em Manágua, capital da Nicarágua. Durante o evento será formalizado o acordo Constitutivo da RAA e discutida propostas de trabalho para os próximos anos.
O ministro integra a reunião na condição de Presidente do Conselho de Ministros e de Chefe da Delegação do Brasil. Crivella iniciou a agenda em Manágua dia 17/04, ao participar de um encontro com o embaixador do Brasil na Nicarágua, Flávio Macieira, membros da delegação e da comunidade brasileira.
Após a ratificação do acordo pelos estados membros, a Rede de Aquicultura das Américas atuará como um organismo intergovernamental de cooperação regional e adesão voluntária, baseado nos princípios de transparência, equidade, compromisso e responsabilidade social e ambiental.
A Rede propõe-se a contribuir para o desenvolvimento sustentável e equitativo da aquicultura, através da cooperação regional dos países das Américas, enfatizando os aspectos sociais, econômicos, científicos, tecnológicos e ambientais. As áreas prioritárias da Rede compreendem: políticas públicas; inoquidade e rastreabilidade; sanidade; economia e mercado; aspectos de pesquisa e desenvolvimento; formação de recursos humanos; transferências e validação tecnológicas; aspectos ambientais.
Entre os objetivos da RAA estão o de providenciar e disseminar informações a respeito de sistemas de produção aquícola, com o objetivo de transferir tecnologias; capacitar pessoal para planejar, organizar e fomentar a aquicultura; estabelecer um sistema de informação regional para prover instruções adequadas para a gestão aquícola; promover o intercâmbio de pessoal e de tecnologias; realizar quaisquer outras atividades relacionadas que estejam de acordo com a missão da Rede, assim como atividades aprovadas pelo Conselho de Ministros da RAA.
Fonte: site do MPA

terça-feira, 17 de abril de 2012

Ideli se diz "tranquila" sobre investigação de compra de lanchas

Portal Terra Elaine Lina

Brasília - A ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, se disse "muito tranquila" em relação a investigação sobre supostas irregularidades no Ministério da Pesca no período em que comandava a pasta. "Uma coisa que me deixa cada vez mais tranquila é que no dia de ontem o TCU apresentou certidão dizendo que o meu nome não consta em nenhum processo que esteja tramitando no Tribunal de Contas, seja qual for. Então, eu estou muito tranquila", afirmou ela nesta terça-feira.
A Comissão de Ética Pública da Presidência da República abriu procedimento preliminar para analisar as explicações apresentadas pela ministra sobre supostas irregularidades no pagamento de 28 lanchas-patrulha, entre dezembro de 2008 e março de 2011. Ideli Salvatti minimizou o caso: "O relator puro e simplesmente recebeu os documentos. É quase que um protocolo. O documento chegou, né? Então, não teve deliberação sobre abertura ou não. Vamos aguardar a hora que a Comissão de Ética vai deliberar."
Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) indicou que pelo menos 23 das 28 lanchas-patrulha compradas pelo Ministério da Pesca nunca entraram em ação nas fiscalizações de pesca irregular ou estão avariadas. Cada veículo custou mais de R$ 1 milhão e, segundo o TCU, parte do total dos R$ 31,1 milhões foi paga na gestão de Ideli.
A empresa responsável pela fabricação e venda das lanchas é a Intech Boating Comércio de Embarcações Ltda., sediada em Santa Catarina, que inaugurou pouco antes da primeira compra de cinco lanchas autorizada pelo então ministro Altemir Gregolin - que deixou a pasta em dezembro de 2010. No último dia no cargo, em 31 de dezembro, Gregolin determinou a construção de mais cinco lanchas, sendo que apenas quatro das 23 já encomendadas haviam entrado na água.
"O negócio foi lançado para a Intech Boating ganhar", afirma o relatório do ministro Aroldo Cedraz, De acordo com o documento, o edital reproduzia os requisitos técnicos do modelo de estreia da empresa no mercado. "As medidas e padrões de desempenho atendem perfeitamente aos requisitos excessivamente detalhados nos editais dos pregões", diz o relatório.
A Intech doou R$ 150 mil ao comitê eleitoral do PT catarinense - reduto eleitoral da ministra, que comandou o Ministério da Pesca entre janeiro e junho de 2011. Em nota, a ministra se defendeu das acusações, disse que não tem ligações com a empresa. Ela afirmou que a doação foi registrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e feita ao comitê financeiro do PT de Santa Catarina - e não nominalmente à candidata Ideli Salvatti.

CPI

Questionada sobre as sinalizações por parte dos governistas de barrar uma possível Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPI) acerca da atuação do bicheiro Carlinhos Cachoeira, Ideli desconversou: "É uma questão do Legislativo. Da nossa parte a orientação clara é cuidar das votações. O meu foco é cuidar da aprovação de matérias importantes". A CPI está em fase de coleta de assinaturas e ainda não há data para a criação da comissão que poderá investigar todos os envolvidos com Cachoeira apontados nas investigações da Polícia Federal.

As licenças ambientais

Ministro da Pesca anuncia empenho para liberá-las, pois os piscicultores apontam como o maior problema
Fonte: O Diário por Redação
Imagem: Reprodução


O ministro da Pesca e Aquicultura, Marcelo Crivella, anunciou, durante entrevista coletiva na 52ª Exposição Agropecuária e Industrial de Londrina, a ExpoLondrina, que o ministério vem fazendo convênios com instituições de pesquisa e órgãos técnicos do próprio governo para agilizar as licenças ambientais para a produção de peixes no País. O licenciamento ambiental é considerado pelos piscicultores brasileiros como o maior problema da atividade.
"Esse é um tema que discutimos em conjunto com o Ministério do Meio Ambiente", ressaltou Crivella, que assumiu a pasta há um mês. Segundo o ministro, o licenciamento precisa ser agilizado para que o Brasil possa começar a explorar os 5,5 milhões de hectares só em reservatórios de hidrelétricas. Atualmente, apenas em Santa Catarina há áreas desse tipo autorizadas para exploração da aquicultura.
"A produção de peixe tem potencial para ser a atividade mais rentável e com melhores resultados do agronegócio. O que falta são as licenças", disse.
A demora e as dificuldades de se obter as licenças, tanto para produção em tanques como em redes em rios e reservatórios em águas públicas, é uma barreira para a expansão da piscicultura no País.
O piscicultor Luiz Henrique Fernandes, de Alvorada do Sul, que cria peixes pelo sistema de redes na represa de Capivara, reforça que o maior problema da atividade é o licenciamento.
"No Paraná já sabemos que a dificuldades é provocada por falta de pessoal no IAP [Instituto Ambiental do Paraná]", aponta Fernandes. O IAP é o órgão responsável pela emissão das autorizações prévia, de instalação e de funcionamento dos tanques de piscicultura.
O produtor considera fundamental que o Ministério da Pesca se reúna com outros órgãos do governo federal e dos estados para identificar e superar os problemas que emperram as licenças ambientais. "Acho que o Ministério está bem sintonizado com o problema", diz Fernandes.
Revista IPesque

O Instituto da Pesca

No último dia 8 de abril, o instituto comemorou 43 anos fortalecendo a cadeia produtiva do pescado

Fonte: Instituto da Pesca por Antonio Carlos Simões
Imagem: Divulgação

Ele foi criado pelo Decreto 51.650, de 8 de abril de 1969, tendo como principal propósito gerar, adaptar e transferir conhecimentos científicos e tecnológicos para os agronegócios da pesca e aquicultura, assim possibilitando o uso racional dos recursos aquáticos. São atribuições do Instituto de Pesca: I - efetuar pesquisa para o desenvolvimento das cadeias de produção da pesca e da aquicultura, buscando inovações tecnológicas a fim de promover a produtividade, qualidade e diversidade de recursos aquáticos; II - realizar pesquisas de desenvolvimento sustentável visando à preservação da potencialidade dos recursos hídricos; III - identificar e manter o patrimônio genético de espécies, raças e linhagens de animais aquáticos de interesse socioeconômico; IV – contribuir para o desenvolvimento regional sustentável dos agronegócios.
Uma característica marcante do Instituto de Pesca nestes 43 anos é o diálogo que sempre manteve com o setor produtivo nas áreas da pesca marinha e da aquicultura, explica o pesquisador científico Edison Kubo, diretor da instituição. Diálogo que, com base em estudos científicos, resulta em benefício econômico e social para o país, complementa.
Em seus experientes 43 anos, o IP vem cumprindo sua função de, a partir da difusão do conhecimento especializado e orientação técnica, promover a integração dos diferentes setores do segmento da pesca, através de parcerias com órgãos normativos e o setor produtivo, por exemplo, para subsidiar e alavancar várias iniciativas de desenvolvimento da atividade pesqueira, sempre com foco na segurança alimentar e na sustentabilidade do ambiente, diz o diretor.
O Instituto de Pesca vincula-se à APTA (Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. Originou-se, em 1969, do então Instituto de Pesca Marítima, que funcionava no prédio onde hoje está instalado o Museu de Pesca, na Ponta da Praia, em Santos.

Pesca esportiva espera por propostas de eventos até 29 de Junho

Fonte: Mercado & Eventos por Larissa D`Almeida
Imagem: Reprodução
Getty Images por Nate Brelsford

Até o dia 29 de junho estará aberto, no Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse (Siconv), o programa do Ministério do Turismo para selecionar eventos que fortaleçam o desenvolvimento do turismo, no caso eventos e festivais de pesca esportiva.
Os eventos de pesca esportiva são aqueles de abrangências municipal, estadual, regional ou macrorregional, que vêm sendo realizados pelo mesmo ente público há pelo menos três edições, devendo ser devidamente reconhecido pelo órgão oficial de turismo do Estado.
Somente podem apresentar projetos os estados, municípios e Distrito Federal. Para apresentar uma proposta de eventos relacionados ao turismo de pesca, os interessados deverão estar credenciados e cadastrados no Siconv. O proponente deverá enviar sua proposta para análise com antecedência mínima de 50 dias da data de inicio da vigência do convênio, acompanhada, ainda, de toda a documentação que comprove as informações prestadas por ocasião da apresentação do pleito. O nome do programa inserido no Siconv é ‘Promoção de Eventos de Fortalecimento ao Desenvolvimento Turístico’ e seu o código é o 5400020120007.
Para cadastramento: http://www.convenios.gov.br/
Revista IPesque

Peixe recheado com batata. Sirva-se!

Fonte: Comida e Receitas por Sofia Matos

Ingredientes

• 1 peixe inteiro limpo tipo dourado, pintado ou namorado (1,5kg aproximadamente)

• 2 cubos de caldo de peixe esfarelados

• suco de 2 limões

• 4 colheres (sopa) de manteiga

• 300g de batata descascada em fatias finas

• 1 colher (sopa) de cebolinha picada

• 2 colheres (sopa) de salsa picada

• 1 colher (sopa) de mostarda

• 1 pimenta dedo de moça picada

• margarina para untar


Modo de Preparo

• Tempere o peixe com os cubos de caldo de peixe esfarelados e o suco de limão.

• Em uma panela, em fogo médio, aqueça a manteiga e refogue a batata até ficar macia.

• Adicione as raspas de limão, a cebolinha, a salsa, a mostarda e a pimenta e misture.

• Recheie o peixe com o refogado, feche com palitos de dente, transfira para uma fôrma untada, cubra com papel alumínio e leve ao forno médio, preaquecido, por 40 minutos.

• Retire o papel e deixe dourar por mais 15 minutos.

• Sirva decorado como desejar.

Peixe-boi de água salgada

Estudos comprovam que o animal consegue captar ruído ultrassônico
Fonte: Globo Natureza por Redação
Imagem: Reprodução
Globo Natureza



Barulho de motores de lanchas e de motos aquáticas pode prejudicar a audição do peixe-boi-marinho (Trichechus manatus), de acordo com estudo realizado pelo Laboratório e aquário marinho Mote, dos Estados Unidos.
O resultado de análises feitas durante 14 anos, publicado nesta semana no “The Journal of Experimenta Biology”, mostra que por viverem na profundidade em algumas regiões da costa dos EUA, onde normalmente tem pouca luminosidade, os mamíferos aquáticos "reforçaram" sua audição e conseguem captar frequências ultrassônicas.
Isto o ajudaria, por exemplo, a distinguir ruídos como o de uma lancha se aproximando -- um potencial caçador. Entretanto, segundo os pesquisadores, a detecção de barulho pode não ocorrer de forma completa quando os animais estão dormindo.
Apesar da audição "eficiente", que, teoricamente, ajudaria essa espécie a sobreviver e escapar de ameaças, os cientistas querem descobrir o motivo do peixe-boi-marinho corre risco de desaparecer. Segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), o peixe-boi de água salgada considerado vulnerável na natureza.
Revista IPesque

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Efeito do álcool no peixe

Pesquisadores concluem que álcool faz o peixe ficar antissocial
Fonte: Exame Info Online por Vanessa Daraya
Imagem: Reprodução
Exame Info Online



Você está cansado daquele amigo que não pode tomar um gole de cerveja que fica de mau humor e quer arranjar briga? Então, fuja do "peixe-zebra" porque ele é antissocial sempre que exagera nos bons drinks.
Brincadeiras a parte, um grupo de pesquisadores da Universidade de Toronto, no Canadá, resolveu colocar um pouco de álcool na água de embriões do "peixe-zebra" para descobrir se poderia afetar a vida da espécie. Segundos os estudiosos, a quantidade usada não foi suficiente para causar deformações físicas nos animais.
Foi a partir disso que eles concluíram que o crescimento no ambiente alcoólico altera o comportamento do peixe quando adulto. Com isso, os pesquisadores podem entender melhor qual o impacto do álcool no desenvolvimento animal em um ambiente controlado.
Outro ponto interessante é que o estudo pode facilitar os cientistas a entender os efeitos do álcool em mulheres grávidas. Para alguns especialistas, a observação feita nos peixes
Revista IPesque

Espinha de peixe pode matar

Ingestão acidental de espinha de peixe cresce cerca de 40%, segundo o Hospital das Clínicas de São Paulo



Fonte: Saúde em Pauta Online por Redação
Imagem: Reprodução
Getty Images por Boroda003



A Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou um estudo em 2009 no qual revela que 68,43 da população do País é católica. Este alto índice de religiosidade reflete também no cardápio do brasileiro, visto que durante a Semana Santa, a tradição estabelece que os fiéis não comam carne. Assim, o consumo de peixe aumenta neste período e, consequentemente, os casos de ingestão acidental de espinha de peixe crescem cerca de 40, segundo o Hospital das Clínicas de São Paulo.
As complicações podem ser graves, pois a espinha de peixe pode perfurar o esôfago e se instalar no órgão, provocando um desconforto na laringe, dor e dificuldade para engolir e, quanto maior a espinha, maior a gravidade do quadro, segundo o endoscopista, do Setor de Endoscopia do Hospital das Clínicas de São Paulo, Dr. Dalton Chaves. “Em casos mais graves, a perfuração do esôfago pode levar à uma grave infecção. Outra situação de risco ocorre quando a espinha atinge a aorta, principal artéria do corpo, e pode resultar em aneurisma com morte súbita”, revela o especialista.

No entanto, em grande parte dos casos não há motivo para alarde, uma vez que em apenas 1 dos episódios, o procedimento cirúrgico se faz necessário. Portanto, se a espinha ultrapassar o esôfago, há 90 de chance de ser eliminada pelas fezes, enquanto 10 precisarão realizar o exame de endoscopia ou laringoscopia. “A solicitação de exames é fundamental para a correta avaliação do quadro clínico. Além dos exames endoscópicos, o raio-X e uma tomografia também podem ser pedidos”, alerta o médico.

Com o objetivo de evitar esse desconforto, o Dr. Dalton Chaves salienta algumas medidas preventivas e faz algumas recomendações:

- Dê preferência ao filé de peixe;

- Não provoque o vômito ou coma farinha, por exemplo, para tentar remover a espinha. Procure o pronto-socorro imediatamente;

- Não consuma bebida alcoólica antes das refeições; a embriaguez piora o quadro;

- Pessoas que usam dentadura são mais propensas ao problema. Portanto, evite o consumo.
Revista IPesque

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Ministério defende desoneração fiscal para alavancar produção nacional de pescado

O ministro Marcelo Crivella, da Pesca e Aquicultura, se encontrou com representantes do setor pesqueiro nacional, em Brasília, para detalhar e completar informações que possam fundamentar, junto ao Ministério da Fazenda, a desoneração da cadeia produtiva do pescado. Estas informações consolidadas serão encaminhadas pessoalmente nos próximos dias aos especialistas do Ministério da Fazenda, pelo secretário-executivo do Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA), Átila Maia.
Crivella entende que os diferentes setores ligados ao setor produtivo do pescado, como indústrias de ração e de beneficiamento, bem como de equipamentos especializados, devem ser beneficiados com isenções fiscais e outros incentivos, a exemplo do que ocorre em outros segmentos da economia. As medidas fariam parte do programa Brasil Maior, de incentivo ao crescimento econômico, da presidenta Dilma.
Embora seja hoje importador de pescado para conseguir suprir toda a demanda interna, o Brasil tem condições naturais para não só atender ao consumo doméstico quanto para se tornar um grande exportador. O País possui recursos hídricos e clima favorável à atividade, além de um ambiente propício à produção de ração e equipamentos especiais, com aço e outras matérias-primas já existentes no País. A alavancagem do setor ajudaria a movimentar a economia, a gerar grande número de empregos e a popularizar um alimento saudável na mesa do brasileiro.
Crivella, que já havia anunciado o seu empenho em tornar o peixe mais barato, lembrou na reunião com os representantes que a união de todos será fundamental para o aumento da competitividade do setor no mercado.

MPA prorroga validade das licenças de pescador artesanal

O ministro Marcelo Crivella assinou (foto), na tarde desta quinta-feira (12), a Instrução Normativa nº 2, de 12 de abril de 2012, que prorroga até o dia 31 de dezembro do corrente ano a validade de todas as Licenças de Pescador Artesanal. Para ter a licença prorrogada o pescador deverá estar inscrito e com situação regular no Registro Geral da Atividade Pesqueira.

“Ao tomar conhecimento das dificuldades encontradas pelo pescador artesanal para efetuar a renovação da licença, este Ministério iniciou uma efetiva política de desburocratização. É preciso ressaltar que muitos desses trabalhadores não têm condições de se deslocarem até a Superintendência mais próxima ou esbarram na burocracia”, destacou o ministro Crivella.
Para o deputado Cleber Verde, presidente da Frente Parlamentar da Pesca e Aquicultura, a assinatura desse ato garante aos pescadores o que é deles de direito e a identidade de pescador artesanal. "Cumprimento o Ministério pelas ações que vem desenvolvendo a favor dos pescadores artesanais e em prol de todo os setor", disse o deputado.
O presidente da Confederação Nacional dos Pescadores e Aquicultores (CNPA), Abraão Lincoln, destacou a importância da Instrução Normativa nº 2, de 12 de abril de 2012. "Este é um ato simples, mas tem uma importância significativa quando pensamos no pescador que leva de quatro a cinco dias para se deslocar de barco até a Superintendência com a intenção de revalidar a sua carteira. Devemos lembrar da extensão territorial do nosso país", pontuou Abraão Lincoln.
Participaram do Ato de Assinatura o secretário-executivo do MPA, Átila Maia; o secretário de Monitoramento e Controle da Pesca e Aquicultura, Américo Tunes; a chefe de gabinete, Margarett Cabral; superintendentes federais da Pesca e Aquicultura nos estados; e servidores do Ministério.

Peixes mortos em Jurerê

Hipótese de descarte de algum barco pesqueiro que esteve na região
Fonte: Diário Catarinense por Redação




                                           Imagem: Reprodução  Agencia RBS por Roberto Scola



Peixes mortos estavam espalhados pela Praia de Jurerê nesta manhã.

Hipótese é que animais sejam fruto de descarte de embarcação pesqueira. Quem passou pela Praia de Jurerê na manhã desta quinta-feira viu uma cena diferente. Peixes mortos estavam espalhados pela areia e o mau-cheiro tomava conta da região, incomodando os banhistas. De acordo com Luis Otávio Frota da Rocha, chefe da Área de Proteção Ambiental (APA) de Anhatomirim, é provável que os animais tenham sido descartados por algum barco pesqueiro que esteve na região.
 Existem vários motivos para aparecerem peixes mortos na praia. Pode ser descarte de alguma embarcação de pesca, de uma espécie que não tem tamanho suficiente ou que não interessa comercialmente — explicou Rocha.
Atualmente, é época de defeso do camarão, ou seja, a pesca do animal com o uso de rede de arrasto está proibida do dia 31 de março até 31 de maio. Para impedir a prática ilegal, a APA tem patrulhado a região regularmente e, na semana passada, um navio maior permaneceu por uma semana na região com o objetivo de intensificar a fiscalização.
 A pesca costuma acontecer durante à noite. Não só para tentar burlar a fiscalização, mas também porque o camarão está disponível durante à noite. De dia, ele se esconde na lama. Nós estamos fiscalizando regularmente, mas, às vezes, acontece de um barco conseguir realizar a pesca — relata Rocha.
Ainda segundo o chefe da APA, a limpeza da praia é de responsabilidade da prefeitura e os peixes descartados não podem ter outra destinação.
Revista IPesque

quinta-feira, 12 de abril de 2012

TCE tem posto de coleta de medicamentos vencidos

O presidente do Tribunal de Contas do Estado do Pará, Conselheiro Cipriano Sabino, encaminhou Oficio ao Secretário de Pesca e Aquicultura do Pará, Henrique Sawaki, destacando o funcionamento de um posto de coleta de medicamentos vencidos instalado na sede do Tribunal, exatamente na guarita do prédio à Avenida Nazaré esquina da Travessa Quintino Bocaiuva, disponivel à população no horário das 7 às 18 horas. Com esta ação, o TCE se integra ao Programa Bom Vizinho, pensando na preservação do meio ambiente e na saúde da população. O referido espaço destina-se à coleta e ao descarte corretos de resíduos tóxicos que há nas residências e são jogados no lixo comum, tais como medicamentos vencidos, agulhas e seringas usadas. Todo o material coletado será encaminhado a uma empresa especializada responsável pela incineração dos resíduos tóxicos, garante o presidente da Corte.

Peixe raro é leiloado

Chinês paga 38 mil dólares pela espécie. Apreciado pelo sabor de sua bexiga e pela carne suculenta

Fonte: Veja Internacional com informações da agência France-Press
Imagem: Reprodução




Um empresário chinês de Hong Kong, que não teve sua identidade revelada, pagou 38 mil dólares por um peixe `golden snapper` de 37 quilos,nesta quinta-feira em Chittagong, cidade portuária de Bangladesh.
O golden snapper, um peixe raro e cobiçado pelo sabor de sua bexiga e pela carne suculenta, foi vendido por Jahangir Saudagar, que havia comprado o animal em um leilão de pescadores que regressaram do Golfo de Bengala.
Segundo o professor de zoologia Noman Siddi, da Academia de Pesca Marinha de Chittagong, o valor especial do "golden snapper" reside em sua cor dourada, já que geralmente estes peixes são vermelhos ou prateados.

"Apenas três ou quatro destes peixes com escamas douradas são pescados a cada ano no Golfo de Bengala", disse Siddi.
Revista IPesque

Bacalhau é bacalhau?

Método de salga e secagem pode ser aplicado a vários tipos de peixe

Fonte: Folha.com por Luiza Fecarotta
Imagem: Divulgação
Empório Di Marco

"Bacalhau não é peixe nem é carne. Bacalhau é bacalhau", diz um ditado português. Bacalhau é um processo milenar de salga e secagem de peixes da família dos gadídeos, que vivem em águas gélidas e têm pouca gordura.
O mais nobre é o Gadus morhua, do Atlântico Norte, que virou símbolo religioso. Não só ele -atrás, surgem outros tantos (o Gadus macrocephalus, do Pacífico, o "zarbos", o "ling" e o "saithe"), inclusive o nosso pirarucu, das águas doces, batizado de "bacalhau da Amazônia", que passa pelo mesmo processo de maturação.
Lá nos primórdios do século 17, Miguel de Cervantes já havia registrado em seu "Dom Quixote" que sexta-feira é dia de comer bacalhau.
Foi a igreja medieval que impulsionou o consumo de peixe em dias de jejum de "comida quente" (como carne vermelha), nos quais eram permitidos só alimentos frios.
De lá para cá, a tradição se mantém: a Páscoa consagrou as receitas de bacalhau.
Esses peixes, que passam por processo de salga e secagem - nessa ordem - e que se prestam a dar vida ao bacalhau, costumam ser enriquecidos com gordura, para que fiquem tenros e não secos.
Diz Mark Kurlansky, autor de "Bacalhau - A História do Peixe que Mudou o Mundo", que costumam levar manteiga, azeite de oliva e creme de leite em seu preparo.
"Os islandeses derramavam gordura clarificada dos rins de ovelhas sobre eles."
São também inteiramente aproveitados - à semelhança do porco, de que se aproveita do focinho ao rabo.
Comem-se a carne, a cabeça, o fígado, as bochechas, as ovas, a língua, a pele gelatinosa, a bexiga e as tripas.
São receitas originárias das comunidades pesqueiras de antigamente, muito pobres, que faziam uso de tudo - inclusive das espinhas que amaciavam em leite.
(Revista IPesque)

MPA antecipa lei e inaugura o primeiro Serviço de Informações do Cidadão da administração pública brasileira

O ministro da Pesca e Aquicultura, Marcelo Crivella, e a diretora de Prevenção da Corrupção da Controladoria-Geral da União (CGU), Vânia Lúcia Ribeiro Vieira, inauguraram o primeiro posto do Serviço de Informação ao Cidadão (SIC) do País, na sede do Ministério em Brasília. A iniciativa antecipa um dos principais instrumentos da lei de Acesso à Informação, prevista para entrar em vigor em toda a administração pública direta e indireta no próximo dia 16 de maio.
“Esta é uma nova forma da administração pública se relacionar com a sociedade, ao superar a cultura do sigilo pelo da transparência”, disse Vânia Vieira, após elogiar o MPA pelo comprometimento desde o primeiro momento com a iniciativa. O Ministério viabilizou o SIC e ainda disponibilizou em seu site na internet um espaço de “Acesso à Informação”. Pelo compromisso do ministério, todas as Superintendências Federais da Pesca e Aquicultura nos estados contarão também com atendimento aos usuários.
A solenidade de inauguração do SIC em Brasília foi acompanhada em tempo real, por viodeoconferência, pelas equipes das SFPAs da maioria dos estados.
Compareceram à solenidade dirigentes do Ministério da Pesca e Aquicultura, como o secretário de Planejamento e Ordenamento da Pesca, Eloy de Souza Araujo, a assessora internacional Lúcia Maria Maierá, o assessor de Controle Interno Dauro Valle, e o secretário-executivo Atila Maia, responsável pela implementação do SIC no MPA.

Direito do cidadão

O ministro Marcelo Crivella recordou, na solenidade, que a o acesso à informação é um direito garantido pela constituição brasileira. “O cidadão bem informado tem melhores condições de conhecer e acessar outros direitos essenciais, como saúde, educação e benefícios sociais”, assegurou. De acordo com ele, aproximadamente 90 países já possuem leis que regulam este direito.
Marcelo Crivella destacou ainda a importância desta lei para os pescadores brasileiros, muitos de origem humilde, e fez um apelo aos superintendentes e demais funcionários do Ministério para darem atenção, carinho e apreço a estes profissionais, de forma a “informar para eles tudo o que seja importante”.
A mobilização no MPA, para tornar o SIC efetivo, em termos de respostas às demandas do cidadão, envolveu setores como o próprio Gabinete do Ministro, a Assessoria de Comunicação, a Secretaria Executiva e as quatro secretarias da pasta (Planejamento e Ordenamento da Pesca, Planejamento e Ordenamento da Aquicultura, Infraestrutura e Fomento e Monitoramento e Controle), além da Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração (SPOA).
Após a videoconferência, o Serviço de Informação ao Cidadão, foi inaugurado pelo ministro Crivella e a representante da Controladoria-Geral da União (CGU), Vânia Vieira. O SIC do MPA em Brasília já está atendendo o público na sede do Ministério, em horário comercial, e pelo telefone (61) 2023-3800 e 2023-3801.

Lei de Acesso à Informação

Sancionada pela presidenta Dilma Rousseff, em 18 de novembro passado, a Lei de Acesso à Informação traz procedimentos a serem observados pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. Também estarão subordinados a este regime legal os órgãos públicos integrantes da administração direta dos Poderes Executivo, Legislativo, incluindo as Cortes de Contas, e Judiciário e do Ministério Público; as autarquias, as fundações públicas, as empresas públicas, as sociedades de economia mista e demais entidades controladas direta ou indiretamente pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios.
Do mesmo modo, estarão, igualmente, sujeitas, no que couber, aos preceitos da referida lei as entidades privadas sem fins lucrativos (ONGs e OSCIPs, por exemplo), que recebem recursos públicos diretamente do orçamento ou mediante subvenções sociais, contrato de gestão, termo de parceria, convênios, acordo, ajustes ou outros instrumentos congêneres para realização de ações de interesse público.

Ministro reune com a Frente Parlamentar da Pesca e Aquicultura

O ministro da Pesca e Aquicultura, Marcelo Crivella participou, na manhã desta quarta-feira (11), de um café da manhã com os deputados da Frente Parlamentar da Pesca e Aquicultura, na Câmara. Na oportunidade, Crivella apresentou os projetos e perspectivas do Ministério.

O deputado Cleber Verde, presidente da Frente Parlamentar, destacou as ações desenvolvidas pelo ministro Crivella em prol do setor e complementou, “temos a oportunidade de colocar a pesca e a aquicultura como a atividade mais importante do país”.

Durante a apresentação, o ministro exibiu um panorama do setor nos dias de hoje; explicou o funcionamento das unidades de apoio à cadeia produtiva e expôs os equipamentos públicos de apoio à rede logística da pesca e aquicultura.

“Se ocuparmos 1% da área dos reservatórios brasileiros podemos alavancar a nossa produção. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) afirmou que o pescado é o nosso pré-sal, portanto precisamos investir no setor, incentivar as pesquisas e desonerar os tributos”, declarou o ministro Crivella.
Na foto, aspecto do Encontro com os parlamentares, entre os quais, representando o Pará, os deputados Wandenkolk Gonçalves, Miriquinho Batista e Elcione Barbalho.

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Peixe amazônico inspira engenheiros a criar cerâmica flexivel

Fonte: Hypescience por Bernardo Staut com informações ScienceDaily


Coloque um cardume de piranhas famintas e um peixe de 120 quilos juntos. Quem sai vitorioso?


A surpreendente resposta – já que nós conhecemos a mordida perigosa da piranha – é o enorme peixe brasileiro Arapaima. O segredo do sucesso são suas escamas em formato intricado, que são inclusive fonte de “bioinspiração” para engenheiros desenvolverem cerâmicas flexíveis.
A origem desse estudo veio de uma expedição na bacia amazônica feita por Marc Meyers, professor de engenharia americano. Ele pensou muito sobre as escamas protetoras do Arapaima. Como ele consegue sobreviver em lagos infestados de piranhas, onde nenhum outro peixe consegue?
Meyers e colegas criaram um laboratório experimental para colocar as piranhas contra Arapaima. Os dentes da piranha foram pressionados no sistema de escamas do Arapaima. Eles descobriram que os dentes conseguem penetrar parcialmente as escamas, mas se quebram antes de atingir o músculo.
As escamas do peixe combinam uma camada externa de minerais com um desenho interno que consegue resistir à mordida da piranha. “Você vê isso frequentemente na natureza, onde existe algo duro por fora, mas há algo mais mole dentro”, afirma Meyers.
É uma combinação que os engenheiros gostariam de reproduzir para aplicações como coletes de soldados, que precisam ser duros e flexíveis. Outras aplicações incluem células de combustível e design aeroespacial.
No caso do Arapaima, a criatividade das escamas serve como resistência para que possam coexistir com piranhas. Os experimentos realizados por Meyers sugerem algumas lições para os engenheiros bio-inspirados.
Por exemplo, a combinação de materiais duros e moles dá às escamas várias formas de repelir as mordidas.
Por cima, material mineralizado resistente, e por baixo fibras de colágeno em direções alternadas.
A camada externa é cerca de duas vezes mais dura que a interna, dando ao peixe uma boa armadura. Ao mesmo tempo, a estrutura interna dá uma boa resistência às escamas. “Se você organiza as fibras dessa maneira, com diferentes orientações, consegue força para todas as direções”.
Também há liberdade de movimento. A camada interna resistente mais mole e a hidratação das escamas contribuem para a habilidade de ser flexível, ainda que forte. É uma solução de engenharia que permite que o peixe mantenha-se móvel ao mesmo tempo em que está bem armado, além de permitir que as escamas se deformem consideravelmente antes de quebrar.
Meyers afirma que o mundo natural está repleto de inspirações para materiais. Um de seus próximos projetos vai envolver escamas dos crocodilos.
Em certos aspectos, o campo da engenharia natural é um retorno às raízes das manufaturas, quando os humanos criavam a partir do couro, dos ossos e da madeira. “Nós temos produzido materiais com uma performance muito alta, mas estamos chegando ao limite dos sintéticos”, comenta Meyers. “Agora estamos voltando a olhar para esses materiais naturais e perguntar ‘como a natureza combina essas coisas’?”.
(Revista IPesque)